Resultado de três anos do projeto Bairro-Escola – Rio Vermelho é apresentado

03 de set de 2015 - Jornalismo

Entre as novidades apresentadas, a parceria entre o projeto e a Ufba para levar educação integrada para a universidade

O resultado de três anos do projeto Bairro – Escola Rio Vermelho foi apresentado na manhã desta quinta-feira (3), no Ciranda Café, no Rio Vermelho. O secretário de Educação do Estado, Osvaldo Barreto, o secretário municipal de Educação de Salvador, Guilherme Bellintani e o vice-reitor da Universidade Federal da Bahia (Ufba), Paulo César Miguez, estiveram presentes na cerimônia. Entre as novidades apresentadas, está a nova parceria firmada com a universidade federal que deve levar a iniciativa para o bairro da Federação.

O protocolo de intenções foi assinado por Paulo César Miguez e reafirma a posição de criar o programa Bairro – Universidade Federação. “Com o Educar para Transformar, o Governo da Bahia está formando uma rede de parcerias pela melhoria da qualidade da educação pública. Assim, são muito bem-vindas todas as iniciativas que promovam a integração escola-comunidade e, principalmente, contribuam no processo de ensino e de aprendizagem dos nossos estudantes”, afirmou o secretário.

 O projeto deve ser iniciado no primeiro semestre de 2016.  A coordenadora da Cipó, Ana Fernanda Souza, e a diretora do Instituto Inspirare, Anna Penido, também estiveram presentes. A parceria reúne a universidade, a ONG Cipó Comunicação Interativa e o Instituto Inspirare, estes dois últimos idealizadores do projeto.

O Bairro-Escola Rio Vermelho é uma grande articulação comunitária que busca promover o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens por meio da ampliação das oportunidades educativas do bairro. Com parceria com escolas públicas do bairro, a ideia do projeto é promover o conhecimento a partir de experiências dos moradores do bairro, considerando seus saberes e suas histórias de vida.  Os estudantes, por exemplo, podem aprender biologia com pesacadores, história da cidade com os moradores antigos do bairro, arte e cultura nas praças, leitura da biblioteca pública, entre outros.

Para a educadora comunitária Juliana Barreto, a educação integrada é o futuro. “A escola não pode ser e nem é o único local de aprendizagem para o estudante. A ideia é transformar o Rio Vermelho em um bairro educador “, disse.  Os colégios estaduais Euricles de Matos, Alfredo Magalhães, Dionísio Cerqueira e Manoel Devoto, além do Colégio Municipal Ana Nery fazem parte do projeto no Rio Vermelho.