Secult reforça trabalho com as Classes Hospitalares

16 de nov de 2011 - dev

Garantir educação e cidadania para crianças e jovens que estão fora das escolas por problemas crônicos de saúde. Essa é a função das classes hospitalares da rede municipal de ensino, que, através de dois projetos- o Criança Viva e Vida e Saúde – realiza trabalho pedagógico com alunos que estão impossibilitados de frequentar as aulas. Cerca de 11 mil crianças e jovens já foram beneficiados em 2011.

Para socializar o trabalho realizado nas classes e discutir maneiras de reforçar o projeto, o secretário municipal da Educação, Cultura, Esporte e Lazer (Secult), João Carlos Bacelar, se reuniu nesta quarta-feira (16), na sede do órgão, com professoras da rede que realizam trabalho pedagógico com os alunos.

Para a professora Ive Milani, ensinar para esses alunos é uma troca de aprendizado. “Trabalhar com essas crianças me traz uma visão de mundo diferente, eles me ensinam a ver a beleza nas pequenas coisas da vida”, conta. O secretário aproveitou a oportunidade para divulgar e parabenizar Ive, que ganhou o Prêmio Professor em Ação, na categoria Educação Inclusiva, pelo atendimento pedagógico domiciliar ao estudante João Victor.

“Estou com o olhar voltado para vocês e muito feliz com os resultados”, expõe Bacelar que ouviu atentamente as histórias das educadoras e ressaltou o apoio da Secult para que esse trabalho, iniciado há 10 anos, continue dando certo. “Trabalhar com essas crianças foi uma opção, você precisa se identificar e se reconhecer. Fazemos a diferença na vida desses alunos”, explica a educadora Jucilene Machado, que atende a Casa de Apoio a Criança e ao Adolescente Cardiopata do Hospital Santa Izabel.

PROJETOS – O Criança Viva possui 42 professores da rede municipal de ensino que atendem aos pacientes de 12 hospitais, 10 domicílios e cinco casas de apoio. O programa atende a toda rede pública hospitalar da capital e garante uma educação de qualidade no contexto hospitalar/domiciliar.

O Vida e Saúde foi implantado por meio de um convênio com as Obras Sociais Irmã Dulce (OSID). São oferecidas duas classes hospitalares no Hospital da Criança (HC) que atendem alunos da educação infantil ao ensino médio.

O projeto também está no Centro Médico Social Augusto Lopes Pontes (CMSALP), ofertando duas classes da Educação de Jovens e Adultos (EJA) para os alunos/pacientes crônicos. O projeto foi reconhecido formalmente como um processo de qualidade que efetivamente faz a diferença dentro das Osid e venceu o II Prêmio de Gestão de Processos Irmã Dulce (PGPID), troféu platina.